#Alimentação & Dieta #Doenças & Condições #Dores #Exercícios & Fitness #Psicologia & Psiquiatria #Saúde Bucal

Como a internet vai destruir sua saúde

Não estou aqui para falar sobre uma profecia de Nostramus nem tão pouco sobre um achado milenar Inca que prevê algo nesse sentido. Que a internet trouxe muitos benefícios para a saúde, isso é fato. Mas hoje estou aqui para fazer uma análise crítica sobre o modo que as pessoas tem utilizado a internet para se autodiagnosticar e, o que é pior, se automedicar […].

banner-saude-para-comer-210x175pxMuitas pessoas acreditam que a internet foi a maior invenção de todos os tempos, inclusive eu, mas não podemos ser ignorantes de pensar que só coisas boas surgiram com a evolução da internet. Por isso quero explicar como a maneira que usamos a internet para cuidar da saúde pode trazer consequências graves.

Para isso vou apresentar “os três profissionais da saúde” mais consultados em toda a rede mundial de computadores.

Dr. Google: o sabe tudo

dr-gooooogle

Há aproximadamente 10 anos atrás o Google tinha apenas 8 anos de idade e nem de perto era o buscador refinado que estamos acostumados. Hoje por exemplo, se você digitar gripe no Google, será bombardeado por informações sobre sintomas, causas e tratamentos; sobre diferentes tipos de gripe; a história da gripe; e se você estiver de férias na Tailândia vai saber até a incidência da gripe na população da Malásia.

gripe-google

Aí você pode pensar: “Mas quanto mais informação melhor, não”? Eu digo que depende. Depende da forma que você vai usar a informação que recebeu, darei dois exemplos de como você pode usar a informação, um certo e um errado.

Certo

Estou com 38º de febre, calafrios e dor. Pesquiso qual doença possui esses mesmos sintomas para poder explicar durante a consulta o que eu acho que tenho e até mesmo para entender melhor a explicação do profissional da saúde.

Errado

Estou com 38º de febre, calafrios e dor. Pesquiso qual doença possui esses mesmos sintomas e vou na farmácia comprar um remédio para a doença que eu acho que tenho.

Nos últimos tempos as pessoas criaram o péssimo hábito de se autodiagnosticar e se automedicar. Isso porque ela pesquisou no Google e encontrou 10 formas de curar alguma coisa. Mesmo que você tenha encontrado um texto escrito por um profissional da saúde, lembre-se que esse profissional não te conhece, nunca te viu e não faz a menor ideia de qual é o seu quadro clínico atual.

Muitos podem falar: “Ah, mas funcionou pra mim!”

Será? Quando uma doença é tratada com o devido acompanhamento, o profissional da saúde não está apenas tratando sua doença para as próximas 12 horas. Ele está tratando para os próximos 12 meses. Isso se chama prevenção.

“Mas eu me previno. Li que vitamina C ajuda a prevenir aquela doença e bebo suco de laranja natural todos os dias!”

Talvez a laranja ajude a prevenir a doença do João. Mas isso não quer dizer que vai ajudar a prevenir a da Maria, do José ou a sua.

Dr. Facebook: o popular

dr-face

Muitas pessoas curtem, amam, são fãs e mesmo aqueles que dizem odiar vêem tudo que ele fala.

Vejo muita gente compartilhando hoje conteúdos que falam como curar algum tipo de doença ou dor utilizando coisas que costumamos ter em casa. E o pior é que muitas vezes a página que compartilhou a informação nem é do segmento da saúde.

Os conteúdos compartilhados nas redes sociais são os mais perigosos. Para exemplificar, veja de quantas formas apelativas essa publicação tenta chamar sua atenção:

dicas-saude-facebook

Ninguém além do seu médico de confiança pode afirmar que um tratamento é ideal para uma doença, que acaba com uma doença e cá entre nós, nenhum médico por mais religioso que seja, vai afirmar que um tratamento é milagroso.

Quer evitar problemas? Qualquer informação sobre saúde vinda do Facebook, Twitter, Instagram ou qualquer outra rede social, duvide. Pergunte para um profissional da saúde qualificado.

Aliás, esse conselho de duvidar serve para tudo que você vê nas redes sociais.

Dr. Youtube: o famoso

dr-youtube

É o mais procurado por quem busca benefícios estéticos. As pessoas adoram suas dicas porque ele é descolado, fala bem e as câmeras o amam. Assim como o Dr. Facebook ele também tem muitos fãs, seguidores e alguns haters.

Para exemplificar o perigo de buscar ajuda no Youtube, fiz uma pesquisa sobre “como perder peso” e veja quais foram os resultados:

dicas-dr-youtube

Percebeu? Nenhum dos vídeos em destaque é de um nutrólogo ou nutricionista. Está vendo aquele tratamento caseiro milagroso? Tem alguém pagando para que você coloque sua saúde em risco. Outro diz “Emagreça sem dieta“. WTF? Alguns até dão uma breve explicação nos vídeos sobre a importância do acompanhamento profissional, mas meio como quem diz: “Eu avisei, mas no fundo eu sei que a maioria não vai ouvir e vai se espelhar em mim“. 

Mas então como usar a internet corretamente para cuidar da saúde?

Agora pensem que eu só dei três exemplos de como o mal uso da internet pode destruir sua saúde. Todos os dias bilhões de novas dicas milagrosas são publicadas na internet e acredite, nenhuma vai resolver seu problema.

Já reparou que as estatísticas de mortes por doenças só aumentam a cada ano? Claro que a má administração governamental tem a maior culpa, mas quem têm condições de se prevenir e não o faz, está correndo sérios riscos de se tornar mais um dado estatístico para as Organizações de Saúde. Por isso cuide-se sempre.

Agora vou dar cinco sugestões de como você pode estar usando melhor a internet para cuidar da saúde:

  1. Use o Google para aprender sobre as doenças e não para se automedicar.
  2. Questione tudo que você vê nas redes sociais e você vai se surpreender com a quantidade de mentiras que vai descobrir.
  3. O Youtube é a evolução da TV, por isso escolha com sabedoria aquilo que você quer ver, use para aprender e questione tudo, assim como na TV tem muita gente querendo manipular você.
  4. Jamais substitua 20, 30, 60 minutos de uma consulta com um profissional da saúde por uma dica de internet.
  5. Hoje existem empresas que oferecem um monte de benefícios para quem agenda consulta pela internet, um desses benefícios inclusive é o preço da consulta, que é mais baixo e garante a qualidade do atendimento.

banner-long-saude-para-viajar-700x189px


Artigos relacionados

Cuidados para quem faz uso de antibióticos

Sobre a medicalização dos nossos problemas

Relação médico-paciente: relações de confiança

Álvaro Schroeder de Oliveira
Empreendedor, diretor de marketing, criador e administrador do Clinit Saúde, redator e especialista em marketing da saúde. "Para mim é uma realização poder compartilhar meus conhecimentos e ao mesmo tempo aprender tanto sobre diversas áreas da saúde".
Recomendados para você
Filosofia da neurociência
Hidratação durante os treinos

Deixe seu comentário

Seu comentário

Seu nome*